sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Jerusalém - Gonçalo M. Tavares

Jerusalém
Gonçalo M. Tavares

Uma obra genial que, com certeza, rende inúmeras teses de mestrado. Os vários assuntos presentes nessa obra são de uma complexidade e aprofundamento considerável. Entre os assuntos presentes podemos destacar a morte como meio de se manter vivo e a loucura.
À medida que os capítulos avançam vamos conhecendo melhor os personagens. A cronologia é complexa e, muitas vezes, interrompida com voltas ao passado. A história se passa na madrugada do dia 29 de maio, enquanto o dia vai clareando os caminhos dos personagens se cruzam entre o presente e o passado, numa teia muito complexa e bem elaborada, chegando, por fim, num desfecho trágico.

O que mais me chamou a atenção no livro foi perceber que os personagens, assim como nós, são pessoas comuns, não há um personagem central e, também, não há vilões ou vítimas, todos passam por momentos em que sua personalidade é desafiada e contestada. Os medos e as inseguranças presentes se fazem em todos nós o tempo todo. Sentir medo de morrer ou sentir vergonha em estar vivo são sentimentos que nos afetam em muitos momentos de nossas vidas.

Pessoas comuns que não querem morrer, que ainda sonham em viver aquilo que não conseguiram por uma razão ou outra. Pessoas que se sentem pequenas e medíocres diante de outro ser humano. Pessoas que são discriminadas ou isoladas por não se adequarem ao sistema social vigente. Pessoas que precisam manter a qualquer custo uma identidade, uma autonomia.

Pessoas que sentem medo do passado, o medo de viver novamente o passado, o medo de lembrar-se do passado. O grande medo de sentir aquele terrível medo que sentiu no passado.

Alguns momentos de epifania são tão fortes e tão bem marcados no enredo que merecem ser notados, momentos em que a verdade se mostra tão nítida na nossa frente que se torna impossível não confrontá-la.

A instabilidade mental é figura recorrente no romance e a tentativa de buscar um equilíbrio é algo praticamente impossível, uma vez que as pessoas são imprevisíveis tanto nos seus estados físicos quanto mentais.

Percebo que este livro traz uma discussão bem mais ampla, seus personagens são profundos, densos, complexos e que não é possível falar sobre tudo em um único post. Como disse, no início, temos presente nesta grande obra, discussões para teses de mestrado em várias áreas distintas: sociologia, história, psiquiatria, medicina... enfim, Literatura.

O que pretendo aqui é instigá-los e apresentá-los a uma boa literatura, assim como fui apresentada pela querida amiga Margarida (Banzai), que me mandou esse livro de presente. Se conseguir terminar a faculdade de Letras, esta aí um bom livro para minha tese de mestrado!!! rsrsrs.

#Ficaadica para uma literatura universal e atemporal.

5 comentários:

"(H²K) - Hamilton H. Kubo" disse...

Realmente instigante Michelle.
Tanto que nem sei dizer, se suas palavras ou o que se pode encontrar na leitura... rsrs
Achei esta parte perfeita:

"Sentir medo de morrer ou sentir vergonha em estar vivo são sentimentos que nos afetam em muitos momentos de nossas vidas."

Simplesmente verdadeiro!

Beijos

Nilce disse...

Parabéns pelo presente Michelle e pela resenha do livro, que pelo que você narrou é muito bom.
A Margarida é um docinho mesmo.

Bom final de semana.

Bjs no coração!

Nilce

Talles Azigon disse...

irei em busca de um exempla fiquei interessado
ei vamos fazer no dia 15 de novembro o dia do grito viva a poesia lá no orkut proclamando a república dos sonhos então precisamos de seguidores @diadogrito todos, tem possibilidade de um post especial sobre o evento? você tem um público muito grande e seria uma grande honra compartilhar isso com você. todos os que publicarem sobre o dias serão linkados e twittados lá no @diadogrito e os que seguirem e twittar poemas, poesias e afins serão retuwitados ^^ é uma grande corrente para não deixar a poesia morrer^^ Espero Respostas ^^

Lívia Azzi disse...

Provavelmente deve ser um livro instigante e genial. Quem de nós nunca se sentiu um pouco louco, com medo, inseguro, revoltado? Enfim, os sentimentos e as emoções tanto boas quanto más fazem parte de nós e dependem da direção que damos a elas...

Um beijo!

lolipop disse...

Perdoe Mi,
Só agora vi esta postagem. Estava doente quando vc postou...
A sua resenha está excelente... e fiquei tão feliz que tenha gostado!!!!!!
BEIJOS
MIL PERDÕES

Postar um comentário